Agronegócio: O que é, Sua importância e as Principais Tendências

Agronegócio: O que é, Sua importância e as Principais Tendências

Tempo de leitura: 7 minutos

O agronegócio é simplesmente o setor que mais movimenta a economia do nosso país.

Por isso criamos este guia completo sobre este tema que gira em torno da economia brasileira, detalhando sua real importância e suas principais tendências.

Confira aqui tudo sobre agronegócio e fique por dentro do que está acontecendo, que promete trazer excelente resultados para os agroempreendedores.

O que é agronegócio

Agronegócio, basicamente, é toda e qualquer relação industrial e comercial, que esteja envolvida em toda a cadeia produtiva pecuária ou agrícola.

No Brasil, o termo agropecuária é comumente utilizado para a definição da utilização econômica do solo para cultivo da terra, no qual esteja associado com a criação de animais.

Também chamado de agro business, o agronegócio, é considerado como um conjunto de negócios que estão relacionados à pecuária e à agricultura, visando o ponto de vista econômico da coisa.

Como é o ciclo do agronegócio

O agronegócio é normalmente dividido em estudos de 3 diferentes partes:

A primeira parte são os negócios relacionados aos montantes da agropecuária, ou da chamada “pré-porteira”, nas quais são representadas pelo comércio e pela indústria que fornecem insumos para produções rurais. Os fabricantes de fertilizantes, equipamentos e defensivos químicos, são ótimos exemplos.

A segunda parte são os negócios agropecuários, conhecidos também como “dentro da porteira”, que são representados por produtores rurais, desde os pequenos, médios ou grandes produtores, que são formados por pessoas físicas – camponeses ou fazendeiros – e pessoas jurídicas – empresas.

A terceira parte são as atividades geradas pelos negócios agropecuários chamados também de “pós-porteira”, nas quais estão envolvidos, transporte, compra, venda de produtos, beneficiamento até seus consumidores finais. Podem se enquadrar nessa definição as indústrias têxteis, frigoríficos, calçadistas, supermercados, empacotadores e distribuidores de alimentos.

1. Insumos

A combinação de fatores de produção diretos – matérias-primas – e indiretos, nas quais são tributos, energia e mão-de-obra, são considerados como os insumos, nos quais estão ativamente na elaboração correta da quantidade de serviços ou bens.

No agronegócio, podemos considerar como os principais insumos: ração, mão de obra especializada, adubo, sementes, defensivos, maquinários, entre outros.

2. Produção

O trabalho do agropecuarista, através do cultivo do solo e/ou da criação de animais, seja qual for o método utilizado ou o tamanho da área, é a chamada produção.

É o momento que se transforma o produto agropecuário em subprodutos, onde pode ser insumos para outros processos, bens de consumo como corantes, fios, ração, embutidos, carnes, queijos e o leite.

3. Distribuição

A distribuição é caracterizada pelo processamento, transporte e distribuição dos bens agropecuários, para consumidores e intermediários de todo o processo.

4. Cliente final

São os consumidores dos produtos do agronegócio, ou seja, os que recebem produtos processados ou in natura.

Qual a importância do agronegócio

O agronegócio está envolvido em praticamente tudo que está relacionado ao nosso dia a dia, vamos detalhar por cada um deles:

Alimentos

O agronegócio está envolvido em toda a cadeia produtiva de alimentos, como usinas de beneficiamento de leite, frigoríficos, beneficiadores, indústria de óleo, rações, usinas de beneficiamento de leite e distribuidores de grãos.

Biocombustíveis

Este é o setor do agronegócio, que dá atenção ao cultivo de plantas, nas quais vão ser transformadas em combustíveis orgânicos, os conhecidos como biocombustíveis.

Indústria Têxtil

A indústria têxtil é o ramo da indústria, no qual transforma os bens agropecuários, diretamente em produtos têxteis, como por exemplo: bens de decoração, vestuário, insumos para a indústria moveleira, calçadista, artigos de cama, mesa e banho.

Alguns exemplos de matéria-prima, nas quais são produzidos pelo agronegócio: lã, linho e o algodão.

Madeireira

Esse é o ramo da agropecuária, no qual explora os solos, para cultivos de árvores, onde serão transformadas em celulose, madeira e produtos químicos para serem utilizados posteriormente como matéria-prima de inúmeras indústrias, como por exemplo, construção civil e móveis, lenha para combustível e indústria papeleira.

Agronegócio

Questões ambientes ligadas ao agronegócio

Graças ao melhor aprimoramento do agronegócio, o custo dos alimentos barateou consideravelmente, dando a chance de grande parte da população, ter maiores poderes de escolha e consumos.

Porém, trouxe alguns problemas relacionados às questões sociais e ambientais.

Atualmente, o maior de todos os desafios da atualidade, está relacionado a produção no campo, onde não haja impactos ao meio-ambiente, onde normalmente são gerados pelo desmatamento, utilização de defensivos, queimadas, empobrecimento do solo, proliferação de pragas, contaminação de mananciais e do lençol freático e o desequilíbrio ecológico.

Leia também – Agricultura e Meio Ambiente: Entenda a Importância dessa Relação

Nas grandes cidades, a maior preocupação, está ligado ao lixo no qual é gerado depois do consumo, principalmente com o excessivo descarte de embalagens.

Questões sociais

Em estados mais pobres, a grande modernização da agricultura, deixou a mercê inúmeros produtores, em especial as famílias que viviam da agricultura de subsistência, pequenas propriedades rurais ou agricultura familiar.

Pelos motivos, de serem provados de métodos modernos e técnicas mais modernas, como por exemplo, maquinários, insumos e irrigação, perderam significativamente no quesito competitividade, levando ao grande abandono do campo, no conhecido fenômeno que leva o nome de êxodo rural, o que ocasionou, e ainda ocasiona, o acúmulo de pessoas em cidades grandes, as quais vieram do campo.

Tipos de produtores

Conhecidos como mini fundiários, estão os pequenos e médios produtores, nos quais são os que trabalham com áreas pequenas, e contam com poucos recursos financeiros para potencializar o processo.

Contudo, ainda existem alguns empreendedores mais modernos, que mesmo contando com uma área pequena, conseguem maximizar suas produções, diversificando suas produções, como por exemplo, em países que possuem extensão territorial reduzida, como alguns países da Europa e Japão, conseguem obter bons lucros através da criação de suínos, aves e também com a plantação de hortifrutigranjeiros, de arroz, fumo e outros tipos de cultura que dependem de pouca mão de obra e pouco espaço.

Nesses minifúndios, o que predomina é a agricultura familiar

Já nas grandes áreas, os arrendatários ou proprietários de grandes áreas de terra são conhecidos como os latifundiários.

Normalmente, trabalham em áreas onde utilizam da monocultura de produtos, que são considerados commodities, em especial o milho, a soja, pecuária leiteira, de corte e o algodão.

Esse tipo de produção geralmente acontece em países maiores, obtendo lucros e grande escala, reduzindo os custos de suas produções.

Tecnologia como principal tendência

A adoção de novas tecnologias no agronegócio segue sendo uma das mais poderosas tendências.

As fazendas chamadas “Hi-Techs” já são mais comuns do que se pensa, onde o uso de recursos como GPS, Sistemas Integrados, Sensores, Drones e Big Data chegaram para ficar. E não apenas para trazer mais eficiência e qualidade, mas também redução de custos.

Além do mais, a tecnologia deve ser vista não apenas como forma de otimização dos processos, mas também como grande aliada do meio ambiente, uma vez que auxilia – citando alguns exemplos – no combate ao desperdício de recursos (a partir do gasto inteligente de água) e no plantio de árvores (com o uso de drones).

Adotar novas tecnologias já não é um mero capricho, mas um divisor de águas para aqueles que desejam se destacar e prosperar.

E como você tem evoluído com as mudanças no mercado do agronegócio? Conte pra gente aqui embaixo nos comentários.

Deixe seu comentário