Como Combater Pragas e Doenças na Agricultura de Forma Eficiente

Como Combater Pragas e Doenças na Agricultura de Forma Eficiente

Tempo de leitura: 5 minutos

Reconhecido mundialmente por sua produção agrícola, no último ano o Brasil alcançou um rendimento de R$ 319,6 bilhões, segundo dados divulgados pelo IBGE.

O número expressivo dá o tom para começar a pensar sobre a importância de promover um controle eficiente de pragas e doenças na lavoura.

Afinal, quando uma plantação é acometida por elas, as chances de queda na oferta e no lucro são grandes.

Combater a sua expansão e consequente destruição da área cultivada são desafios para o agricultor.

Biologicamente, estes micro-organismos coexistem pacificamente; eles estão no solo, nas folhas e nos animais que fazem parte daquele habitat.

O problema está quando a plantação enfraquece ou se desequilibra biologicamente, pois ela se torna alvo para outros organismos oportunistas.

Entenda como funciona a sua lavoura

Para que a safra não seja perdida, é preciso se cercar de todos os cuidados para evitar este enfraquecimento. Contudo, é um erro pensar que o ataque deve ser feito em direção à origem do problema.

O que deve acontecer está pautado em solucionar o que causou o desequilíbrio e evitar que a praga continue se alastrando.

A plantação é um organismo vivo, com funcionamento sistemático, por isso entendê-la se faz parte importante da questão.

O produtor deve ser responsável no manejo

Um produtor rural lida com contratos, metas, tempo e quantidade de produção, dentre outras responsabilidades.

Para que todas sejam cumpridas e para que haja retorno em lucros, algumas práticas de campo devem ser aplicadas no plantio.

A interferência mecânica do homem no processo natural pode ter efeitos positivos quando pensada de maneira sustentável e com o apoio da ciência.

Entretanto, a intervenção humana dentro do organismo vivo da agricultura também pode ser prejudicial.

A contrarreação pode desequilibrar o sistema, causando uma produção exagerada de insetos, fungos, ácaros e bactérias. Estas pragas e doenças acabam com a plantação.

A questão é que este intrometimento pode ser benéfico sobremaneira, como podem ser o responsável pela destruição de uma safra.

Os cuidados com o uso de agrotóxicos

Ao pensar na importância de se combater as doenças e as pragas, diversas tecnologias químicas, biológicas e físicas foram desenvolvidas.

O mais comum é o controle através do uso de agrotóxicos nas culturas, espalhando sobre elas antibióticos e outros remédios.

Apesar de ser uma técnica eficiente, ela não atinge a fonte do desequilíbrio; ou seja, ela não evita que mais pragas possam surgir, pois estes compostos agem no que é pontual.

Leia também: Mitos e Verdades sobre Agrotóxicos Que Você Precisa Saber Pra Já

O uso de agrotóxicos, mesmo que seja a prática mais comum nas lavouras do Brasil, é um perigo real e constante.

Primeiro que por não atacar a causa, os efeitos tendem a voltar a aparecer. Então serão aplicadas mais doses dele, e nessa incidência se cria um círculo vicioso.

Outra questão é o quanto ele é danoso ao corpo humano, pois pode levar a morte se consumido em alta quantidade.

Um estudo recente da Humans Right Watch aponta que o brasileiro consome 7,5 quilos de agrotóxico por ano.

Como Combater Pragas e Doenças na Agricultura de Forma Eficiente

Como combater de forma eficiente as pragas e doenças?

A questão que fica é como encontrar a correta dinâmica para fazer um combate eficiente às pragas e doenças sem comprometer o sistema.

Afinal, a lavoura não pode ser perdida, o rendimento não pode ser comprometido e as práticas devem ser calculadas.

Para racionalizar todas estas questões, o agricultor precisa procurar conhecimento de técnicas e parcerias para realizar o manejo sustentável da lavoura.

Um ótimo começo está em reconhecer as principais pragas e doenças que estão atacando a cultura em questão.

A identificação de quais são organismos o leva a saber como tratar o cerne do desequilíbrio da plantação.

Assim, ele pode adotar práticas de incentivo a reprodução de principais inimigos naturais a eles, por exemplo.

Outra medida é criar condições ambientais desfavoráveis, que atrapalhem estas pragas a se multiplicarem.

Respeite a cadeia natural

Como já foi dito, dentro da área agrícola e assim como em toda natureza, há a regência de uma cadeia natural, de um sistema.

Alguns insetos, fungos e bactérias podem ser o principal agente de combate às pragas e as doenças. Isso acontece porque eles são os predadores naturais para estes outros organismos.

Existem práticas que podem ser adotadas para facilitar a sua atuação, tornando-se uma estratégia fundamental para este controle.

Também faz parte do processo de controle o monitoramento da presença das pragas através de amostragem destas populações.

Contar os ovos, as larvas e os organismos, bem como fazer vistoria constante das plantas cultivadas, são formas de supervisionar e ajustar.

Somente assim o produtor vai saber como agir caso aconteça algum dano, e esta é uma forma de se precaver.

Ter consciência da importância do controle de pragas e doenças é ter uma lavoura forte e saudável, que consequentemente gera lucros.

Esta averiguação e controle devem ser constantes, seja por um profissional agrícola ou por informações que podem ser obtidas no site da Embrapa, por exemplo.

Esta é uma responsabilidade do produtor com a sociedade e com os seus negócios.

O que você tem a nos dizer sobre o assunto? Deixe aqui embaixo nos comentários.

Deixe seu comentário