Sementes Piratas: Conheça os Riscos que Elas Trazem pras Plantações

Sementes Piratas: Conheça os Riscos que Elas Trazem pras Plantações

Tempo de leitura: 5 minutos

As sementes piratas estão deixando o setor de agricultura nacional em estado de alerta.

O uso dessas sementes nos plantios está se tornando cada vez mais comum, e quem usa parece não ter conhecimento sobre os riscos que elas trazem para as plantações e para todo o setor.

Por isso, diversas campanhas são feitas para conscientizar os produtores dos riscos do uso de sementes piratas.

O uso das sementes piratas

Os números são assustadores. De acordo com a Abrass, Associação Brasileira de Produtores de Semente de Soja, 30% da safra de 2015 / 2016 foi feita com sementes piratas (fonte).

O impacto nessa indústria é muito prejudicial já que ela é uma das maiores do Brasil, e nosso país é um dos grandes produtores do mundo.

Veja aqui, por exemplo, o que podemos esperar das exportações de soja em 2018

Por conta disso, o uso de sementes piratas pode ter consequências bem graves.

Isso fica claro em um estudo produzido pela APASEM, Associação Paranaense dos Produtores de Sementes e Mudas, em conjunto com a ABRASEM, Associação Brasileira de Sementes e Mudas, que estima que o prejuízo anual com essas sementes chega a R$ 2,5 bilhões na agricultura brasileira, e mais de R$ 200 milhões no estado do Paraná.

Afinal, você sabe quais são os riscos que essas sementes trazem para as plantações e por que elas geram tanto prejuízo?

O que são as sementes piratas?

Essas sementes são grãos colhidos e vendidos como semente, mas que não tem nenhum registro de sua procedência.

Além de não haver recolhimento de impostos, prejudicando a economia do país, não há fiscalização sobre elas, o que é o principal motivo para sua falta de qualidade.

Sem fiscalização, os vendedores ficam livres para armazenar e movimentar a semente como bem entenderem, sacrificando qualidade e controle para diminuir os preços e aumentar seus lucros.

Preço não vale o risco

É esse preço menor que é um possível atrativo para os produtores. Especialmente em momentos de crise, buscar uma solução mais barata pode parecer uma boa ideia.

Mas, no caso das sementes piratas, o preço mais baixo certamente não vale o risco. Basta olhar o dado do prejuízo que essas sementes trouxeram ao Brasil, que fica claro o porquê.

Os riscos das sementes piratas para a plantação

Por conta da falta de fiscalização e cuidado com a produção, movimentação e armazenamento das sementes, diversos problemas podem surgir por conta do seu uso, que irão afetar possivelmente toda a lavoura.

Em primeiro lugar, a qualidade fisiológica da semente é muito questionável podendo ter uma taxa de germinação muito mais baixa do que o esperado.

Isso já gera um prejuízo, uma vez que as sementes foram compradas e têm uma chance grande de não germinarem; mas esse é o menor dos problemas.

A pureza física da semente também é posta em questão, ou seja, é bem possível que ela venha contaminada por ervas daninhas que irão trazer enormes prejuízos à produtividade.

É possível também que haja uma mistura genética com sementes de outros cultivos.

Por fim, a qualidade sanitária também é menor que a ideal, podendo resultar na proliferação de diversas doenças.

Todos esses problemas culminam em um risco que pode gerar enormes prejuízos para o produtor, ainda mais ao considerar que não existe nenhuma garantia por parte do vendedor da semente.

Ou seja, a perda é totalmente de quem compra.

Com tanta tecnologia investida na produção, ter um prejuízo enorme por conta de sementes piratas é um absurdo.

As consequências para o agronegócio

Os riscos não param por aí, e a lavoura do produtor que usa as sementes não é a única que será prejudicada. Todo o cenário agrícola brasileiro pode sofrer as consequências.

Pode parecer catastrófico, mas a importância da agricultura para a economia brasileira somado aos grandes riscos que as sementes piratas trazem faz com que a preocupação seja mais que válida.

Primeiramente, as empresas que produzem as sementes e que fazem pesquisas para melhorar a tecnologia irão receber menos royalties pela compra das mesmas, perdendo grande parte do estímulo para procurar melhorias.

Além disso, o governo perde verba por conta da evasão de impostos, e se esse número crescer muito, precisará ser compensado em outro lugar. O prejuízo passa a ser para a sociedade brasileira.

Por conta disso, o uso de sementes piratas não vale o risco.

Nem no micro, para os produtos das lavouras que irão perder tempo e dinheiro, nem para o macro, já que suas consequências podem afetar o setor agrícola, e até mesmo a sociedade.

Lembrando que o comércio, a produção e a compra de sementes piratas é ilegal.

Para fazer uma denúncia, você pode acessar o site da Ouvidoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

As sementes piratas trazem muito risco e prejuízo para a sua plantação e para o agronegócio brasileiro.

Como alternativa, você pode conferir aqui no AgroComunica outras formas de economizar ou aumentar os lucros sem precisar recorrer a essa péssima medida.

Você conhece, por exemplo, a agricultura de precisão? Conte pra gente aqui embaixo nos comentários as boas alternativas que você já conhece e aplica.

Deixe seu comentário